25 de outubro de 2018

Moda afro-brasileira e corpo cultural são temas de bate-papo ministrado por Raul Lody

Por Jones Araújo

@jonesstorm

 

Uma viagem ao Continente Africano, para conhecer em um recorte os tecidos produzidos na região, foi assim que começou o bate-papo ministrado pelo antropólogo Raul Lody, na noite desta quarta-feira (24), no Espaço Mirabeu Sampaio no Sesc Casa do Comércio em Salvador. A aula aberta que teve por objetivo estabelecer uma conexão entre a moda da África e a Bahia, roupa e comportamento, de forma não fashion, despertou no público novas formas de compreender a moda. 

 

 

Um dos assuntos abordados pelo antropólogo foi tradição e a cultura da tecelagem na África, que é uma das mais antigas formas de tecnologia, dando ênfase no processo de confecção dos tecidos, a arte das estampas e relevo, no pensamento de que ‘os panos falam’, além de mostrar também as roupas bordadas e confeccionadas pelos homens na região. Nessa mesma ideia, Raul fez um comparativo de algumas estampas africanas presentes na Bahia, principalmente em eventos culturais.

A segunda aula aberta será realizada no mesmo local, a partir da 19h desta quinta-feira (25) e terá como assunto o couro e um estudo sobre a composição histórica da roupa da Baiana do Acarajé, que  foi reconhecida como patrimônio cultural do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 2005.

Buscar no blog